Móvel

Calor corporal carrega esse relógio inteligente

O Matrix PowerWatch é um concorrente do FitBit que explora a diferença de temperatura entre sua pele e o ar para obter energia.

  • Quinta-feira, 17 de novembro de 2016
  • Por Signe Brewster
  • Tradução por Elisa Matte (Opinno)

Uma startup do Menlo Park criou um relógio inteligente que funciona com o calor do corpo. Embora básico, poderia inaugurar uma nova geração de dispositivos vestíveis que nunca precisam ser recarregados.

Durante uma demonstração, a líder de engenharia da Matrix, Anne Ruminski, segurou o relógio em seu pulso, fazendo com que sua tela em preto e branco inicializasse dentro de alguns momentos. Apesar de ter o mesmo tamanho e forma de um relógio inteligente Garmin Forerunner, suas habilidades - acompanhar passos, contar calorias e monitoramento o sono - são mais parecidas com um FitBit.

O relógio obtém energia através do que é conhecido como um gerador termoelétrico. O gradiente de temperatura faz com que os elétrons no relógio fluam, criando uma corrente elétrica. Ruminski diz que a descoberta da Matrix foi decifrar como dissipar o calor resultante, que de outra forma arruinaria o gradiente de temperatura.

A empresa também se beneficiou de uma tendência de dispositivos de menos energia. O PowerWatch só recebe uma pequena quantidade de energia para funcionar, mas faz uma quantidade relativamente grande de tarefas com ela. Uma pequena bateria de reserva no relógio permite armazenar dados e a hora quando não está em seu pulso.

Matrix não é o primeiro grupo a construir um dispositivo vestível que roda com o calor do corpo. Pesquisadores da Universidade Estadual da Carolina do Norte recentemente revelaram um gerador termoelétrico que eles acreditam que poderia ser incorporado a camisas e outros itens de vestuário. Outras equipes estão buscando fazer uso do calor desperdiçado de outras fontes além do corpo humano. Mas nenhum termoelétrico vestível realmente chegou ao mercado.

Matrix abriu pré-encomendas de US$ 99 para o relógio na terça-feira e planeja enviá-lo em julho de 2017. Seu preço cheio de varejo será de US$ 160. A empresa ainda não desenvolveu o software para o relógio, embora Ruminski diga que o hardware já está completo - como resultado, eu não pude ver as funções do relógio além de simplesmente ligar.

A Matrix também planeja aplicar sua abordagem termoelétrica a outros dispositivos. Dispositivos médicos, aparelhos auditivos e sensores portáteis também podem funcionar com o calor do corpo. Eles podem ser melhores casos de uso, também. Os entusiastas dos relógios inteligentes notarão rapidamente a simplicidade do PowerWatch comparada aos exemplos como o Apple Watch. Mas sensores são uma categoria mais nova que não requer uma tela altamente interativa.

O professor assistente de gestão de cuidados com a saúde da Universidade da Pennsylvania, Mitesh Patel, observa que cerca de metade das pessoas que compram um dispositivo vestível param de usá-lo dentro de alguns meses. Toda vez que você tirar um relógio inteligente é uma oportunidade para parar de usá-lo.

"Dispositivos vestíveis são mais propensos a ajudar os indivíduos por períodos mais longos, se sua tecnologia é projetada para reduzir as barreiras ao engajamento, como a necessidade de recarga regular", diz Patel.

Para deixar seu comentário, por favor, regístrate ou efetue seu login

Esqueceu sua senha?

Publicidade

Vídeo

Inovadores com menos de 35 anos Brasil

Mais Vídeos

Informes Especiais

Uma Cura para os Gastos com Saúde

Os gastos com a saúde estão fora de controle. E a inovação em medicamentos, testes e tratamentos é o motivo. Mas e se a tecnologia pudesse ser uma forma de poupar dinheiro ao invés de gastá-lo?

Ganhando Com Dispositivos Móveis

Publicidade
Publicidade