Biomedicina

Porque Dar Choques no Cérebro Ajuda Pacientes com Parkinson

A estimulação cerebral profunda pode dar origem a um dispositivo que se ajusta automaticamente de forma mais eficaz para a doença de Parkinson.

  • terça-feira, 14 de abril de 2015
  • Por Courtney Humphries
  • Tradução por Elisa Matte (OPINNO)

Usando eletrodos (os pontos brancos nesta imagem) na superfície do cérebro, pesquisadores descobriram que a estimulação cerebral profunda atenua a sincronização de neurônios em pacientes com Parkinson.

O envio de pulsos de eletricidade através do cérebro via eletrodos implantados – um procedimento conhecido como estimulação cerebral profunda – podem aliviar os sintomas do mal de Parkinson e de outros distúrbios do movimento.

O problema é que ninguém sabe exatamente por que a estimulação do cérebro com eletricidade é tão benéfica. Um estudo publicado hoje na revista Nature Neuroscience oferece uma possível explicação para os benefícios observados na doença de Parkinson: evita que os neurônios fiquem muito "sincronizados".

Se a descoberta se confirmar em outros estudos, pode ser útil para a fabricação de dispositivos mais sofisticados e eficazes que monitoram a atividade cerebral e ajustam a estimulação automaticamente.

Neurônios saudáveis não são apenas ativados aleatoriamente; muitas vezes há um ritmo de baixa frequência que determina o cronograma de sua atividade, como um maestro definindo o ritmo de uma banda. Um número crescente de estudos sugere que a sincronização tem um papel importante em muitas funções do cérebro, da memória à percepção de movimento.

Pesquisadores da Universidade da Califórnia, em San Francisco, liderados pelo neurocirurgião Philip Starr, tinham encontrado anteriormente que essa sincronização é anormalmente elevada no córtex motor de pessoas com a doença de Parkinson em comparação com pacientes com distonia (um tipo diferente de transtorno de movimento) ou com epilepsia.

O mesmo grupo descobriu agora que a estimulação cerebral profunda reduz esta sincronização excessiva. Coralie de Hemptinne, um dos autores do estudo, diz que as células do cérebro precisam de um equilíbrio entre coordenação e independência; na doença de Parkinson, células do córtex motor podem ter dificuldade para desassociar sua atividade do ritmo de baixa frequência para iniciar um movimento. Isso poderia explicar por que as pessoas com a doença tornam-se rígidas ou estátuas.

O estudo analisou pacientes submetidos a cirurgia cerebral profunda para a doença de Parkinson, com eletrodos implantados em estruturas do cérebro que controlam o movimento. O estudo foi limitado ao tempo da cirurgia, mas o grupo agora está fazendo gravações de alguns pacientes com Parkinson que têm eletrodos permanentes na superfície do cérebro, juntamente com um implante de estimulação cerebral profunda, para ver se esta conexão persiste.

O objetivo final, diz de Hemptinne, é o de encontrar um sinal mensurável que pode ser usado para melhorar a terapia e ajustar automaticamente um estimulador da atividade cerebral profunda. "Neste momento, a estimulação cerebral profunda está funcionando muito bem em distúrbios do movimento, mas ainda não é o ideal", diz ela. Estimuladores atuais devem ser ajustados para cada paciente por meio da tentativa e erro e estimulam o cérebro continuamente.

Um dispositivo melhor iria se ajustar automaticamente de acordo com a atividade do cérebro e estimular somente quando necessário, mas ele deve saber o que procurar. Medtronic, por exemplo, está testando um estimulador cerebral profundo que tanto registra como estimula o cérebro, mas os pesquisadores ainda estão tentando descobrir o que procurar em diferentes doenças (veja “New Implantable Device Can Manipulate and Record Brain Activity”).

Exatamente como a estimulação cerebral profunda funciona ainda não se sabe.

"Há muitas mudanças biológicas que têm sido associadas com a estimulação cerebral profunda" e não está claro o que é realmente responsável pelo efeito terapêutico, diz Michael Okun, neurologista da Universidade da Flórida. Enquanto a sincronização de ritmos cerebrais pode ser um fator, diz ele, "devemos ter muita cautela para não interpretar demais".

Para deixar seu comentário, por favor, regístrate ou efetue seu login

Esqueceu sua senha?

Publicidade

Vídeo

Inovadores com menos de 35 anos Brasil

Mais Vídeos

Informes Especiais

Uma Cura para os Gastos com Saúde

Os gastos com a saúde estão fora de controle. E a inovação em medicamentos, testes e tratamentos é o motivo. Mas e se a tecnologia pudesse ser uma forma de poupar dinheiro ao invés de gastá-lo?

Ganhando Com Dispositivos Móveis

Publicidade
Publicidade