Negócios

Este Médico Vai Economizar Seu Dinheiro

Eric Topol está em uma missão para tirar os cuidados com a saúde da confusão na qual estão.

  • Terça-feira, 10 de setembro de 2013
  • Por Jon Cohen
  • Tradução por Elisa Matte (Opinno)


Imagem: Dados Médicos: Eric Topol falando em uma conferência em 2012 sobre os usos da tecnologia sem fio na medicina.

Eu visitei o cardiologista Eric Topol no Scripps Green Hospital em La Jolla, Califórnia, um dia neste verão. Ele teve uma manhã movimentada atendendo pacientes vendo e, por volta do meio dia, estava afirmando já ter poupado milhares de dólares para o sistema de saúde usando seu iPhone e uma máquina de ultrassom de bolso. Em seguida, ele apontou para o estetoscópio em seu bolso e disse que ele não o usa há três anos. "Eu deveria simplesmente jogá-lo fora", disse ele. "Este é basicamente um ícone inútil da medicina."

Topol é, talvez, o mais proeminente defensor nos EUA de como a tecnologia digital pode levar a cuidados com a saúde mais baratos e ele me convidou para ver suas economias em ação. Enquanto nos dirigíamos para a sala de exame, Topol, ligeiramente curvado e virando várias vezes para lidar com questões arremessadas a ele por sua equipe, parece um pouco abalado pela comoção e enxurrada de demandas, mas uma calmaria se instala no momento em que ele entra na sala de exame. Ele cruza os braços sobre o peito, enquanto um jovem colega o ataliza com o histórico do paciente. Topol se apresenta ao homem de 85 anos de idade, que tem se cansado facilmente ultimamente e, em seguida, o médico puxa imediatamente o seu iPhone.

Topol, que desde 2007 tem promovido agressivamente a digitalização da medicina, não verifica seu e-mail, não busca nada no Google, nem liga para uma farmácia. Ao contrário, ele coloca o que parece ser uma caixa de proteção no telefone. O exterior da caixa tem duas pastilhas de metal ovais que são eletrodos, e Topol pede ao seu paciente que coloque os polegares sobre eles.

"Ele está bradicárdico sem nenhuma boa razão para estar bradicárdico" Topol diz a seu colega, Hashim Khan, enquanto observa um gráfico de bips atravessa a tela do seu telefone. Ele olha para mim. "Nós economizamos USD$ 100 para cada um desses que fazemos."

O acessório para o iPhone é uma versão de 199 dólares de uma máquina de eletrocardiograma de grau hospitalar que é vendida por muito mais. Ao fazer a leitura do ritmo cardíaco ele mesmo, Topol diz que ele poupa o paciente de ir a uma estação especial com um técnico treinado que vai gastar 15 minutos para ligar fios a ele.

Momentos depois, Khan tira um Vscan, um aparelho de ultrassom feito pela GE Healthcare, que se assemelha a um grande telefone que abre e fecha antigo. Com Topol olhando, Khan esguicha gel no peito do homem e, em seguida, verifica as câmaras do seu coração com uma varinha conectado ao dispositivo. "Sua função não parece realmente tão ruim", diz Topol, acrescentando que a maioria dos médicos cobra USD$ 600 para fazer um ultrassom usando uma máquina de USD$ 350.000. Mas Topol não cobra nada quando ele é feito como parte de um exame físico de rotina como este. "Há 125 milhões de exames com ultrassom feitos nos Estados Unidos a cada ano", diz Topol, sacudindo a cabeça. Ele diz que "provavelmente 80 por cento" deles poderiam ser feitos com o Vscan sem nenhum custo extra.

Topol é um médico em uma missão e não pela primeira vez. Uma década atrás, ele estava no centro de uma outra batalha sobre evidências médicas e lucros bilionários. Aquela, envolvendo o medicamento para dor Vioxx, acabou com um medicamento que valia USD$ 2,5 bilhões por ano sendo retirado do mercado depois que Topol e outros levantaram preocupações com a sua segurança. Em 2007, quando Topol chegou ao Scripps, ele começou com a demagogia novamente, desta vez proselitisando contra o que ele chama de prática americana de vender "medicina por estaleiro" ou de favorecer as tecnologias que aumentam a receita.

Topol, que lidera o Scripps Translational Science Institute, tem muitos ferros no fogo. Um estudo com idosos saudáveis (Wellderly, como o chama) em andamento deverá analisar os genomas de 2.000 pessoas saudáveis ​​com mais de 85 anos, em busca de pistas para explicar por que eles ganharam na loteria da saúde. Outro estudo conduzido por Topol pergunta se o ZioPatch, um monitor cardíaco do tamanho de um Band-Aid que as pessoas usam por até duas semanas, pode detectar arritmias cardíacas mais facilmente do que o monitor Holter desajeitado usado por 50 anos. O monitor Holter depende que fios ligados a diferentes partes do peito enviem sinais a um dispositivo usado em volta do pescoço ou no quadril.

Em última análise, Topol prevê, que a tecnologia digital vá levar à "hiper personalização dos cuidados com a saúde" e a inovações que economizam bilhões e bilhões de dólares. "Pela primeira vez, talvez, na história da tecnologia na medicina, podemos ver que você pode melhorar os resultados para os pacientes e reduzir os custos", diz ele.

Topol firmou sua reputação de Dr. Digital em 2011, quando ele usou seu iPhone para diagnosticar um ataque cardíaco em um passageiro em um vôo comercial de Washington D.C. para San Diego, forçando o avião a pousar em Indianápolis. Mas nem todo mundo acredita que tecnologias menores, mais baratas e mais fáceis de usar vão economizar dinheiro. Céticos dizem que Topol não leva em conta que mais dados, mesmo que sejam confiáveis, simplesmente levam a mais intervenções médicas, muitas das quais podem ser desnecessárias.

Considere hospitais do sono. Topol diz que acessórios para smartphones que medem o uso de oxigênio e o pulso podem diagnosticar a apnéia do sono sem a necessidade de alguém passar uma noite em um hospital do sono, que custa milhares de dólares. "Falar de tirá-los do negócio", diz Topol. "Nós podemos fazer um teste de triagem que é basicamente grátis através de um smartphone".

Mas Steven Poceta, neurologista do Scripps que é especialista em distúrbios do sono, diz que Topol exagera seu caso. "Nós quase nunca colocamos alguém no laboratório do sono para 'triagem' ", diz Poceta, notando que as máquinas portáteis de diagnóstico há tempos permitem testes caseiros de baixo custo. Além disso, a apnéia do sono é "largamente subdiagnosticada", então a detecção por smartphones - à qual Poceta dá boas vindas - pode elevar os custos dos cuidados com a saúde. "Por uma questão de negócio, o maior número de pessoas sendo avaliada vai revelar um maior número de pessoas precisando de experts e do hospital do sono", diz ele.

Embora Topol esteja inclinado a ignorar seus críticos por terem pensamentos retrógrados, ele concorda que cada novo dispositivo terá que ganhar seu lugar no arsenal. "Você precisa provar para a comunidade médica que ele realmente gera um menor custo e melhora os resultados", diz ele. "Nós não queremos que esta fase da medicina sem fio e desconectada seja deixada no campo das inovações não validadas. Isso não vai ajudar ninguém."

Ele está liderando um novo estudo chamado "Conectados pela Saúde", que irá avaliar o valor econômico dos três dispositivos sem fio comerciais (AliveCor, o monitor de pressão arterial da Withings e um medidor de glicose para iPhone) em 200 pacientes com transtornos de diabetes, hipertensão arterial e do ritmo cardíaco, o tipo de doentes crônicos que correspondem a cerca de 80 por cento de todas as despesas médicas do país. O estudo controlado dará os dispositivos a apenas metade dos participantes e avaliará se rastrear ativamente sua saúde reduz os custos dos cuidados com a saúde.

Outro dos projetos de Topol, uma colaboração com a Caltech, pretende colocar um sensor sem fio em uma artéria. O sensor teria cerca de um terço do tamanho de um grão de areia e vai ficaria parado e iria potencialmente detectar um ataque cardíaco iminente. Se funcionar melhor, poderia prevenir ataques cardíacos - um resultado que Topol diz não necessitar de um estudo de custo-efetividade.

"Você sabe qual é o custo de ter um ataque cardíaco?" pergunta Topol, incrédulo com a noção de que alguém precisaria de evidencias para provar este ponto.

Esta história foi atualizada em 09 de setembro para corrigir detalhes sobre a pesquisa do ZioPatch, a colaboração de Topol com a Caltech e o preço de uma máquina de ultrassom.

Para deixar seu comentário, por favor, regístrate ou efetue seu login

Esqueceu sua senha?

Publicidade

Vídeo

Inovadores com menos de 35 anos Brasil

Mais Vídeos

Informes Especiais

Uma Cura para os Gastos com Saúde

Os gastos com a saúde estão fora de controle. E a inovação em medicamentos, testes e tratamentos é o motivo. Mas e se a tecnologia pudesse ser uma forma de poupar dinheiro ao invés de gastá-lo?

Ganhando Com Dispositivos Móveis

Publicidade
Publicidade