arXiv blog

A Falha Preocupante Da Decisão da Austrália de Banir Apontadores Laser de Alta Potência

Depois de aeronaves se tornarem alvo de apontadores laser de alta potência em 2008, a Austrália os proibiu. Mas a proibição parece ter tido um efeito completamente diferente.

The Physics arXiv Blog 23/06/2014

Em 2008, diversos aviões e helicópteros voando sobre Sydney, na Austrália, sofreram uma série de ataques coordenados em que alguém tentou cegar os pilotos usando apontadores laser. O governo agiu rapidamente e proibiu a posse e importação de apontadores laser com potência maior que 1 miliwatt.

Consequentemente, a Austrália tem as leis mais restritivas do mundo para apontadores laser.

Problemas semelhantes ocorreram em muitos outros lugares onde aviões, veículos, celebridades, atletas e policiais têm sido alvo de lasers de potência variadas. Um tema constante de debate nestes locais é como combater este tipo de crime.

Assim, algo interessante de se entender é se a abordagem australiana tem funcionado. Hoje, temos uma resposta, graças ao trabalho de Trevor Wheatley na Universidade de New South Wales, em Canberra, Austrália. Ele usou a Internet para comprar uma grande variedade de apontadores laser, solicitou que fossem enviados de várias partes do mundo para a Austrália e, em seguida, testou-os para ver se as especificações eram iguais às anunciadas e se de fato cumpriam os requisitos estabelecidos pela lei australiana.

E sua conclusão é preocupante. Ele diz que poucos dos apontadores laser se atêm às especificações anunciadas e muitos excedem a potência de 1 mW que não deveriam exceder. "Os fornecedores deste mercado já aprenderam a contornar a proibição", diz ele.

Wheatley encontrou seus alvos, inserindo a frase "apontador laser 1 mW" em sites de compras online, como Google.com.au e eBay.com.au. Em teoria, estes sites deveriam obedecer à lei australiana por sua designação com.au..

Ele encontrou 44 resultados diferentes: 17 da Austrália, 13 de Hong Kong, 11 da China, dois do Reino Unido e um de os EUA. Destes, 20 dos dispositivos produziam luz vermelha, 18 produziam luz verde e seis produziam luz violeta. Wheatley comprou todos.

Destes 44 apontadores laser, ele recebeu 40 no post sem incidentes. No entanto, outros três foram barrados na alfândega e nunca chegaram. Os agentes da alfândega mediram a potência dos três lasers interceptados e descobriram que dois deles excediam 1 mW. Os dois que não passaram foram retidos e o que tinha potência inferior a 1 mW foi entregue. No total, Wheatley recebeu 41 lasers.

No fim, os dispositivos não tinham uniformidade alguma. A potência anunciada de todos eles era de 1 mW ou menos, mas 11 tinham em seu rotulo potência inferior a 5 mW e um marcava menos de 10 mW.

Além disso, muitos dos lasers oriundos de mercados internacionais chegaram em embalagens sem qualquer indicação do que continham, impedindo que os funcionários da alfândega fossem capazes de identificá-los. "Parece que os fornecedores internacionais estão visando a uma restrição de 5 mW para os ponteiros laser, mas vende como 1 mW para o mercado australiano nos domínios '.au'", diz ele.

Ele então criou um aparelho de teste simples para medir a potência real desses dispositivos. E os resultados são chocantes. Todos com exceção de dois dos lasers excederam o limite de 1 mW. E um laser vermelho tinha uma potência de saída de 112 mW, duas ordens de grandeza maior do que o limite. Em geral, ele diz que os lasers verdes e violeta representam maior risco.

E o preço também não é um bom indicador para a energia gerada. Ele comprou a maioria dos lasers por menos de US$ 20. No entanto, o que custou mais de US$ 80 foi o mais surpreendente. "Foi o único de toda a amostra que teve desempenho igual ao declarado e o único a atender os padrões de segurança para lasers", diz ele.

Este é um estudo preocupante. Parece claro que as tentativas do governo australiano em evitar que lasers de alta potência entrem no país falharam. "Os resultados indicam que, se um consumidor na Austrália tentasse comprar um apontador laser de baixo custo que segue os padrões de segurança, provavelmente não o receberia", diz Wheatley.

Isto é preocupante para os consumidores, regulamentadores e para todos os potenciais alvos dos apontadores laser. "Da ótica da segurança do laser: a única coisa mais perigosa do que um apontador laser de alta potência corretamente rotulado é um apontador laser de alta potência rotulado como seguro", diz Wheatley.

É também uma lição para governos de outras partes do mundo. Se os apontadores laser são um problema, então uma legislação como a da Austrália provavelmente não é a resposta.

No Reino Unido, por exemplo, as equipes policiais usaram câmeras de imagem infravermelha para identificar a localização de apontadores laser voltados para o céu, para que o culpado pudesse ser capturado por agentes em terra. No início deste ano, um jovem de 22 anos recebeu uma sentença suspensa de cinco meses por colocar em risco a vida de uma equipe de busca de um helicóptero policial.

Seja qual for a punição, esses resultados devem servir para avisar qualquer um que esteja pensando em comprar um apontador laser na internet ou fora dela. Tenha cuidado!

Ref: arxiv.org/abs/1406.4924 : Laser Pointer Prohibition - Improving Safety Or Driving Misclassification

Para deixar seu comentário, por favor, regístrate ou efetue seu login

Esqueceu sua senha?

Publicidade

Vídeo

Inovadores com menos de 35 anos Brasil

Mais Vídeos

Informes Especiais

Uma Cura para os Gastos com Saúde

Os gastos com a saúde estão fora de controle. E a inovação em medicamentos, testes e tratamentos é o motivo. Mas e se a tecnologia pudesse ser uma forma de poupar dinheiro ao invés de gastá-lo?

Ganhando Com Dispositivos Móveis

Publicidade
Publicidade